Aplicações na Internet em Medicina e Saúde: Os Recursos Básicos

Renato M.E. Sabbatini


Núcleo de Informática Biomédica da Universidade Estadual de Campinas
WWW: http://home.nib.unicamp.br/~sabbatin Email:renato@sabbatini.com.

Revista Informédica, 3(16): 5-11, 1995.


A Internet é uma rede global de computadores, que abrange mais de 4 milhões de computadores e cerca de 45 milhões de usuários em mais de 100 países. O número de recursos de informação e de Aplicações da Internet na área de Medicina e Saúde tem crescido explosivamente nos últimos anos, denotando um grande potencial para transformar radicalmente a pesquisa, educação, e assistência ao paciente, assim como a prática na gestão dos sistemas de saúde. No primeiro artigo desta série (Informédica, número 15, julho/agosto de 1995), apresentamos ao leitor o que é a Internet, sua história, características e formas de acesso. Neste artigo, discutiremos os diversos serviços de informação e formas de acesso atualmente disponíveis na Internet. Finalmente, no próximo artigo da série, divulgaremos quais são os principais recursos de informação disponíveis na Internet, em Biologia Humana, Medicina e Saúde


Os Recursos da Internet

O protocolo básico da Internet, que é a chamada ligação ponto-a-ponto (dois computadores podem "conversar" entre si, não importam onde estiverem, usando uma cadeia de conexões através dos equipamentos de interligação da rede, chamados de roteadores), permitiu a implementação de uma série de ferramentas para comunicação, acesso e recuperação da informação entre seus nodos. Usando-se os conceitos simples de pacotes de mensagens e conexão ponto a ponto, os usuários da Internet têm uma série de ferramentas, variadas e poderosas, que são baseadas em diversos protocolos derivados e programas de computador.


Correio Eletrônico

A ferramenta básica para comunicação da Internet é o correio eletrônico, ou email. Geralmente um email é uma mensagem escrita de um usuário da Internet para outro, semelhante a uma carta. Para enviar a mensagem, utiliza-se um programa existente no computador hospedeiro. O usuário deve fornecer o endereço de email do local ou da pessoa que o receberá. Quando a mensagem de email chega ao nodo de destino do usuário, ela é guardada como um arquivo numa área especial do computador hospedeiro, chamada de caixa postal eletrônica, que pode ser acessada somente pelo proprietário da área, ou usuário, para que possa ser lida a qualquer momento.

O programa de correio oferece diversas facilidades para utilização do email ao usuário, tais como compor ou editar uma mensagem, anexar um arquivo, ler mensagens que chegam, respondê-las, imprimi-las, guardar em uma pasta, descartar mensagens antigas, etc. Existem diversos programas comerciais ou de domínio público, tais como o elm ou pine (para UNIX), All-In-One (para o VAX), Eudora (para Windows), etc. O conceito de email pode ser estendido de modo a incluir imagens, programas, voz ou outros arquivos binários.


Listas de Discussão e Publicações Eletrônicas

Duas extensões muito úteis do conceito de email são a lista de discussão, ou fórum, e a publicação eletrônica. Ambos usam o protocolo de email padrão para divulgar mensagens para um determinado número de usuários (tal como em uma mala direta, ou a lista de assinantes para uma publicação). Para fazer isto, usa-se um programa especial (que é também disponível no computador hospedeiro do remetente) chamado de processador de lista (listproc) ou servidor de lista (listserv). Essencialmente, este programa apanha o texto a ser divulgado e a lista de assinantes e 'explode' a mensagem para todos os endereços eletrônicos dentro dele.

O usuário da Internet que quiser assinar uma lista, envia por email seu endereço de email e nome para o endereço do processador de lista onde a lista está localizada. Por exemplo, suponha que você queira se inscrever em uma lista de correio devotada à discussão de ética médica. Você descobre que o nome da lista é BIOMED-L (geralmente, mas não sempre, os endereços da lista têm o sufixo -L). O endereço Internet do servidor da lista onde reside a lista de distribuição é LISTSERV@VM1.NODAK.EDU. Portanto, para assiná-la, você deve enviar uma mensagem a este endereço. No corpo da mensagem, você escreve apenas uma linha:

SUBSCRIBE BIOMED-L

seguida (na mesma linha) pelo seu nome. Em pouco tempo, você receberá uma mensagem do servidor de lista confirmando que você foi incluído na lista de assinantes. De agora em diante, quaisquer mensagens ou publicações subsequentes enviadas ao endereço da lista, serão distribuídas automaticamente a todos seus assinantes. Caso você queira enviar uma contribuição à mesma lista de discussão, você deve endereçar sua mensagem para BIOMED-L@VM1.NODAK.EDU. O software servidor da lista tem muitos outros comandos, que podem ser usados para cancelar a assinatura na lista, suspender temporariamente o fluxo de mensagens para você, revisar a lista de assinantes, recuperar antigas mensagens, etc. Para ver como isto funciona, envie uma mensagem com a palavra HELP na primeira linha para o local do servidor de lista.

A Internet e a BITNET têm literalmente dezenas de milhares de listas de discussão e publicações, sobre qualquer assunto imaginável, incluindo Medicina e Saúde. Há diversas formas de se descobrir o que elas são, e como assiná-las, tal como 'listas de listas' (disponíveis na própria Internet), listas de discussão devotadas a divulgar informação sobre novas listas, e livros e catálogos, como as 'Páginas Amarelas da Internet'. (ver referências ao final do artigo). Muitas listas de discussão também têm um documento padrão 'on-line' que descreve seus objetivos e responde perguntas comuns que são freqüentemente feitas pelos novos usuários, chamadas FAQs (Frequently Asked Questions, ou Perguntas Freqüentemente Feitas). Algumas listas redistribuem seus FAQs periodicamente, outras guardam a FAQ em algum local conhecido da Internet para que possam ser chamadas pelos usuários interessados. Há também um nodo de armazenamento central para todas as FAQs.

É também muito fácil estabelecer sua própria lista de discussão ou publicação eletrônica na Internet. A única exigência é que você a estabeleça num nodo total da Internet (com acesso direto a um "gateway"), que é capaz de rodar uma cópia de um software da servidora da lista (há diversos tipos, tais como listproc, majordomo, etc., todas de domínio público). Leia o artigo anterior desta série para poder entender o que significam esses termos.

Há todo um conjunto de regras escritas de conduta (chamado netiquette), para os participantes de listas de discussão, a fim de se evitar comportamentos inadequados e assuntos indesejados, tais como discussões emocionais e xingamentos (chamadas de "flames" , no linguajar da Internet).


Grupos de Notícias

O grupo de notícias é um tipo diferente de lista de discussão. Na realidade, o conceito de grupo de notícias foi estabelecido independentemente da Internet, por meio de uma rede internacional de sistemas UNIX, chamados UseNet (Grupos de Notícias do Usuário); mas hoje, é amplamente interligado à Internet. A base de operação da UseNet é um protocolo interredes da UNIX chamado UUCP (UNIX to UNIX Copy). O sistema de grupo de notícias é semelhante, em operação, a uma BBS (Bulletin Board System), isto é, enquanto a lista de discussão Internet/Bitnet funciona como um periódico que é entregue diretamente à sua caixa postal; para se ler as mensagens enviadas a um grupo de notícias você deve acessar um banco de dados central de mensagens, armazenado num computador hospedeiro, e usar um programa local chamado servidor de notícias.

Há centenas de milhares de servidores de notícias em todo o mundo, e eles são atualizados diversas vezes por semana, usando-se o software UUCP; para que todos tenham as mesmas mensagens em um dado período. Estas mensagens são categorizadas de acordo com o assunto. O esquema de classificação de assuntos é hierárquico, e segue determinados padrões, tais como comp (para assuntos de computador), soc (ciências sociais), alt (assuntos alternativos), etc. Por exemplo, um grupo de notícias sobre AIDS é chamado de sci.med.aids, enquanto um grupo de notícias para dar apoio aos pacientes que sofrem de câncer é alt.support.cancer. Usando-se o leitor de notícias, o usuário pode assinar um ou mais grupos de notícias e pesquisar periodicamente seus conteúdos, assim como contribuir com suas próprias mensagens.


Login Remoto e Acesso a Banco de Dados

Como vimos, a Internet está tecnicamente baseada no intercâmbio de pacotes entre dois nodos remotos (computadores) localizados na rede. Portanto, usando-se o mesmo esquema de intercâmbio de pacotes, um usuário pode estabelecer uma conexão a qualquer computador remoto da Internet, a usar seu disco e programas como se fosse um terminal de computador ligado a ele. Isto é chamado de login remoto, ou sessão RLOGIN. O recurso TCP/IP que permite isto e controla o diálogo entre dois nodos da Internet é chamado de TELNET. O nodo que inicia o rlogin é chamado de nodo cliente, enquanto o outro é o nodo servidor. Naturalmente, de modo a realizar um login remoto a um nodo servidor, você deve ter uma conta e uma senha neste último. Entretanto, muitos nodos implementam o que é chamado de login anônimo, isto é, uma sessão da Internet que não exige uma senha, e, portanto, tem acesso público de qualquer lugar na rede.

O login remoto é a base de muitos outras ferramentas da Internet para o acesso e recuperação da informação. Uma vez que uma sessão TELNET a um nodo remoto da Internet tenha sido estabelecida, você pode executar um programa residente naquele nodo.. Um de seus usos principais é acessar bancos de dados remotos. Por exemplo, suponha que você queira consultar ou pesquisar o catálogo de todas as publicações armazenadas na Biblioteca Nacional de Medicina (NLM), localizada em Bethesda, Maryland, EUA. Primeiro, uma sessão TELNET anônima é estabelecida com o nodo NLM.NIH.GOV, onde este banco de dados é mantido. Nenhuma senha é exigida, e um programa local é automaticamente executado, fornecendo acesso a um menu de opções. Usando-se o teclado de seu terminal ou de seu microcomputador, você pode navegar por este menu, digitar palavras-chaves, etc., e receber os resultados da busca na tela de seu próprio computador. Depois, você termina a sessão remota, fechando o programa TELNET, e a conexão é interrompida.

Em outros casos, a TELNET não é nem anônima nem livre. No mesmo exemplo, caso você deseje fazer uma pesquisa da literatura no enorme banco de dados bibliográfico on-line na NLM, chamado MEDLINE, solicita-se que você pague pelos serviços, e assim, embora você possa usufruir deles na Internet, você deve estabelecer uma conta e senha privadas com a NLM. O mesmo acontece com a BIREME (Biblioteca Regional de Medicina), uma organização da OPAS (Organização Pan-americana de Saúde) que representa a NLM no Brasil, e que oferece acesso pago ao MEDLINE, através da Internet (endereço BRME. BIREME.BR).

A TELNET é também a tecnologia TCP/IP subjacente a outras ferramentas de acesso populares da Internet, tais como a FTP, Gopher, e a WWW (vide abaixo). Estas ferramentas automatizam o processo de login remoto e o tornam transparente ao usuário, ou seja, não há necessidade de se conhecer os endereços completos dos nodos da Internet que você deseja acessar.


Protocolo de Transferência de Arquivo

Transferências de arquivos entre quaisquer dois nodos da Internet também são possíveis por meio de um programa chamado Protocolo de Transferência de Arquivo (FTP - File Transfer Protocol). Ele funciona da mesma forma como a TELNET, com a diferença que tem um conjunto restrito de comandos, que servem apenas ao propósito de abrir diretórios de disco no servidor remoto, examinando e copiando arquivos armazenados no local, etc. O FTP não permite a e-xecução de programas remotos, contudo. Há comandos para uploading (isto é, copiar do cliente FTP ao servidor) e downloading (na direção oposta). Servidores FTP ligados à Internet geralmente permitem sessões anônimas, e os arquivos que podem ser copiados estão em área ou diretório públicos. Por e-xemplo, suponha que você queira copiar um programa de banco de dados de domínio público para microcomputadores sobre estatística em saúde chamado EPI-INFO, desenvolvido pelo CDC (Centro para Controle de Doenças, EUA) sob o patrocínio da Organização Mundial de Saúde. As últimas versões deste software estão localizadas no local FTP.CDC.ORG, então você deve dar o comando FTP FTP.CDC.ORG em sua máquina hospedeira ligada à Internet. Quando a máquina do CDC responder, depois de poucos segundos ou minutos, você digita seu login (identidade do usuário) como anonymous (em inglês mesmo) e seu endereço do email em lugar da senha. Em seguida use o comando cd (mudar de diretório) para abrir o diretório pub/software, e o comando mget epi*.* para copiar para sua máquina todos os arquivos relacionados ao software. O comando quit fecha a co-nexão com o nodo remoto.

Há milhares de servidores da FTP na Internet, sobre todos assuntos imagináveis. Os diretórios da FTP geralmente contêm programas de computador, imagens, arquivos de voz e de som, projetos de multimídia, cursos on-line, documentos técnicos, relatórios e artigos científicos, o texto integral de livros e manuais, FAQs, números antigos de boletins eletrônicos, bancos de dados, transcrições diárias de listas de discussão, e muito mais. Alguns locais da FTP são realmente enormes, como a SIMTEL-20, que tem cerca de 30.000 itens de software de computador de domínio público em diversos 'espelhos' (locais FTP com cópias exatas uns dos outros), distribuídos pelo mundo. Como acontece com as listas de discussão, há informações publicadas em locais da FTP por assunto, disponíveis na forma de livro ou eletrônica. Você também pode localizar novas informações da FTP de forma mais precisa usando navegação pelo Gopher, Archie, Veronica e WAIS.


Gopher

O FTP e a TELNET são excelentes ferramentas para se obter informações da Internet, mas elas têm um sério problema: o usuário deve-se lembrar da localização dos endereços, algumas vezes complicados, da Internet, e perder algum tempo digitando-as no teclado várias vezes. Para aperfeiçoar isto, um programa público chamado Gopher foi desenvolvido em 1991 pela Universidade de Minnesota, EUA. Ele é organizado como um sistema de menu baseado em caracteres, interativo e hierárquico, com pequenas des-crições para cada fonte de informação disponível de interesse na rede. O usuário pode navegar através da árvore do menu, buscando-a e explorando-a. Quando um dado local é escolhido, o Gopher automaticamente fornece o endereço e o conecta via TELNET ou FTP a um servidor Gopher em algum lugar do mundo, de uma forma totalmente transparente ao usuário.

Locais interessantes podem ser marcados para futuras referências. O Gopher pode também atuar como uma ferramenta de busca, pois ele tem a capacidade de localizar as informações descritas por palavras chaves. O Gopher acessa diversos tipos de informações, tais como textos, programas, imagens, sons, etc., e pode ser usado para copiar, imprimir, e obter arquivos de diretórios de disco remotos. Assim, ele substitui muito eficientemente a TELNET e a FTP.

Há duas formas de se acessar o Gopher. Se você tem um cliente Gopher em sua máquina hospedeiro (nodo Internet), você pode 'apontá-lo' para qualquer servidor Gopher do mundo. Alternativamente, você pode dar TELNET para um local Gopher que você conheça o endereço IP (por exemplo, o servidor Gopher da OMS tem o endereço GOPHER.WHO.CH), e dar o comando gopher. Há milhares de servidores Gopher, e muitas centenas especificamente devotados a aplicações biológicas e médicas.


Archie, Veronica e WAIS

O sempre crescente e enorme armazenamento de informação pública disponível nas centenas de milhares de nodos servidores da Internet requerem ferramentas de busca especializadas e rápidas. O Gopher tem uma grande desvantagem: seus ponteiros devem ser atualizados periodicamente por um mantenedor, de modo a refletir as novas informações acrescidas à rede. Três ferramentas de busca, Archie, Veronica e WAIS, facilitam este trabalho.

Archie (que é um diminutivo para 'arquivo') é um programa simples, que busca os nomes do arquivo e do diretório disponíveis para o acesso público nos nodos Internet. Ele foi desenvolvido na Escola de Ciências da Computação da Universidade McGill, em Montreal, Canadá. De maneira a funcionar o mais rapidamente possível, ele busca uma lista de locais armazenados em dois bancos de dados, disponíveis em mais de 20 servidores Archie espalhados por toda a Internet. Se você não tem um cliente Archie em sua máquina hospedeira, você pode fazer um TELNET a um servidor Archie, como o de Baltimore (ARCHIE.SURA.NET), ou em Viena, Áustria (ARCHIE,UNIVIE.AC). Os resultados de uma busca pelo Archie podem ser recebidos via email também.

Uma outra ferramenta útil é o Veronica, que foi desenvolvido na Universidade de Reno, Nevada, EUA. É uma ferramenta de indexação e busca baseada em palavras-chaves, com o objetivo de atualizar os menus do Gopher. A interface do usuário do Veronica é semelhante à do Gopher e pode ser executada de um cliente Gopher. Ela procura quatro tipos de informações: diretórios, "páginas amarelas", bancos de dados indexados e acessos à TELNET. A busca pode ser feita de forma ampla ou localizada.

O programa mais poderoso deste trio é o WAIS (Wide Area Information Services, ou Serviços de Informação de Área Ampla). Diferentemente do Archie e Veronica, o WAIS busca por palavras-chaves específicas que são parte de arquivos textos e bancos de dados, não somente seus nomes externos. Isto amplia consideravelmente a especificidade de uma busca. O WAIS foi desenvolvido por um esforço conjunto da Thinking Machines Corp. (um fabricante de supercomputadores), KPMG (uma firma de consultoria mundial) e pela Apple Computer, em 1992. Um servidor WAIS é geralmente conectado a centenas de bancos de dados públicos disponíveis em qualquer lugar da Internet. Além disso, o WAIS também pode buscar palavras-chaves nos arquivos da UseNet, assim como em servidores de informações especializados. O WAIS pode ser usado a partir de um menu Gopher, mas há muitas versões de clientes do WAIS para diversos tipos de sistemas operacionais: swaiss e waissearch (UNIX), xwais(X-Windows), sunsearch (SUN), mxqwais (OSF-Motif), olwais (Open Windows), waisserver (VMS), WAIStation (Mac). WinWAIS, os2wais (PC), etc.


World Wide Web

A World Wide Web (WWW, ou Teia de Alcance Mundial) é um sistema de servidores da Internet dedicados à interface orientada a gráficos para informações baseadas em hipermídia. É uma estrutura de documentos interconectados que podem incorporar páginas de texto, imagens, animações, filmes, etc., ou seja, é a maneira de se consultar documentos multimídia na Internet. O documento básico da WWW (chamado de webpage) pode ser usado para "apontar" para outros recursos da Internet, tais como gophers, FTP, WAIS, UseNet, WHOIS, X.500, etc. Sua estrutura é semelhante ao bem conhecido Help do Windows, isto é, áreas especialmente designadas na tela, ícones e palavras e frases sublinhadas ou coloridas; quando ativadas por um clique do mouse, chamam à tela outras partes do mesmo documento. Na WWW, contudo, estes "hyperlinks" (vínculos) podem chamar outros documentos localizados em qualquer lugar na Internet, dando um tremendo poder de indexação à 'webpage'.

Um documento WWW é um conjunto de arquivos em um diretório de disco especial de um servidor Web. O texto é composto usando-se convenções padronizadas de uma linguagem chamada Hypertext Markup Language (Linguagem de Marcação do Hipertexto - HTML), que usa etiquetas de identificação para marcar os elos ("links"), os pontos de inserção de imagens, etc. Um outro programa, chamado visualizador cliente (browser client) da WWW, transforma o HTML em uma tela gráfica, e permite a visualização do documento WWW, navegação pela estrutura do hipertexto e ligação automática aos recursos externos da Internet (outras webpages, gophers, etc.).

Um protocolo da Internet chamado Hypertext Transport Protocol (HTTP - Protocolo de Transporte de Hipertexto) é usado para transmitir as informações entre o cliente e o servidor. Há muitos "browsers" para a WWW tais como NCSA Mosaic, NetScape, lynx, viola, cello, WinWeb, WebExplorer, InternetWorks, etc., para uma variedade de plataformas de hardware, tais como IBM PC, Macintosh, estações UNIX, etc. Alguns deles permitem total visão e pesquisa em hipermídia, outros permitem apenas pesquisa e navegação de texto. O conceito WWW foi criado no CERN (Centro Europeu para Pesquisa Nuclear). O visualizador mais popular de domínio público, o Mosaic, foi desenvolvido no Centro Nacional para Aplicações de Supercomputadores (NCSA), em Urbana-Champaign, EUA, em 1992. A WWW é a aplicação que cresce mais rapidamente na Internet.


Outras Ferramentas da Internet

Há muitas outras ferramentas de acesso da Internet, e seu número está crescendo. Entre as mais usadas, existem três programas, associados a bases de dados especializadas: Hytelnet, WHOIS e netfind.

O Hytelnet é um programa de busca baseado em caracteres, de domínio público, desenvolvido na Universidade de Saskatchewan, Canadá. Ele é muito útil para muitos usuários, pois é capaz de realizar uma pesquisa off-line dos recursos Internet, usando um banco de dados atualizado que pode ser carregado do local FTP.USASK.CA. A Hytelnet tem um menu e uma estrutura de hipertexto, de uma forma superficialmente semelhante ao Gopher. Como com o Gopher, um cliente on-line Hytelnet pode realizar TELNET automático para uma fonte escolhida. O banco de dados Hytelnet lista muitos recursos que podem ser acessados pela TELNET, Gopher e WAIS, particularmente os recursos on-line de biblioteca. Por exemplo, usando a Hytelnet, você pode apontar para a Biblioteca da Faculdade de Medicina de Harvard e dar início a uma sessão TELNET, com o objetivo de pesquisar títulos de livros que existam lá. Antes de entrar no servidor remoto, a Hytelnet mostra uma tela de instruções sobre os procedimentos para o login e o logout daquela biblioteca em particular. Há versões da Hytelnet disponíveis parra vários sistemas operacionais: MS-DOS, MS Windows, Macintosh, UNIX e VMS, entre outros. Outros mecanismos de busca de biblioteca são LIBTEL e LIBS.

WHOIS e netfind são ferramentas de busca usadas para localizar nomes de pessoas, domínios, nodos e instituições conectados à Internet. Muitas vezes, você quer localizar o endereço de um usuário em particular, ou o nome de um nodo Internet. Os bancos de dados da ampla Internet são armazenados em um servidor WHOIS ou netfind (por exemplo, um dos maiores servidores WHOIS.INTERNIC.NET. O INTERNIC é o Centro de Informações de Rede da Internet, que centraliza diversos destes bancos de dados). Ambos podem ser consultados via correio eletrônico e entregar os resultados de busca através de email também. Uma ferramenta de busca mais poderosa usa um padrão ISO para a representação de nomes de endereços em TCP/IP, chamado X.500, pois permite buscas de nomes parcialmente conhecidos. Os servidores X.500 conectados à Internet fornecem um sistema de localização semelhante às 'páginas brancas'. Um pacote de software que usa X.500 é "fred" (Front-End to Directories).

Uma identificação limitada do endereço do usuário é fornecida por uma outra ferramenta simples do TCP/IP, chamada FINGER. Executando-se um comando FINGER seguido por um endereço tentativo ou incompleto do email fará com que o nodo servidor execute uma busca de seus bancos de dados de usuários, e informe sobre o endereço correto do usuário que você está procurando, outros itens de informação que este usuário escolheu para colocar em sua área de res-posta do FINGER, que é chamado arquivo PLAN.


Novos Recursos

A tecnologia baseada na TELNET é virtualmente ilimitada em termos das possibilidades que oferece para implementar novas ferramentas e recursos para o intercâmbio da informação na Internet. A teleconferência é um deles. Numa teleconferência, vários usuários podem simultaneamente compartilhar de qualquer tipo de informação via conexões da TELNET para uma área comum. Há diversos tipos de teleconferência: o mais simples usa somente mensagens de texto; enquanto outros podem usar imagens e voz. A Internet Relay Chat (IRC) é uma enorme conversação entre muitas pessoas, realizadas em diversos 'canais' simultâneos, identificados pelo assunto geral. Outros serviços que estão crescendo na Internet, à medida que aumenta sua capacidade de largura de banda são a Rádio Internet, e a TV Internet, onde transmissões de voz e i-magem são feitas, respectivamente.

Uma possibilidade interessante é que a informação fornecida por muitos dos serviços interativos da Internet, tais como a FTP, Gopher e WWW, podem também ser chamadas por meio do correio eletrônico, particularmente quando o usuário tem uma conta restrita a apenas UUCP ou email. Diversos servidores de email localizados na Internet aceitam consultas, enviam mensagens a estes serviços interativos, e entregam a informação para a caixa postal eletrônica do solicitante. Há também servidores de fax da Internet, que aceitam e enviam mensagens de email para e de fax e máquinas de telex conectados ao sistema telefônico e de telex.


Para Saber Mais

  1. Hahn, H. e Stout, R. - Internet Yellow Pages. New York: McGraw-Hill, 1995.
  2. Gilster, P. - Finding It On the Internet. New York: Wiley, 1994.

Voltar HomePage Voltar ao Índice de Artigos Enviar email p/o Editor
Copyright (c) 1995 Renato M.E. Sabbatini